Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/123456789/21091
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorBelarmino, Jessica Pessoa-
dc.date.accessioned2019-11-07T19:17:52Z-
dc.date.available2019-11-07T19:17:52Z-
dc.date.issued2018-06-14-
dc.identifier.otherCDD 580-
dc.identifier.urihttp://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/handle/123456789/21091-
dc.descriptionBELARMINO, Jessica Pessoa. Desenvolvimento inicial de Moringa oleifera Lam. Sob condições de estresse hídrico. 44f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Agroecologia) – Universidade Estadual da Paraíba, Centro de Ciências Agrárias e Ambientais, 2018. [Artigo]pt_BR
dc.description.abstractA moringa (Moringa oleifera Lam.), pertence à família Moringaceae e apresenta diversos usos para agricultura familiar nordestina, principalmente na purificação de água. No entanto, pouco se conhece sobre o comportamento de suas sementes em condições de estresse, que ocorrem em alguns solos da região nordeste. Objetivou-se, com o presente trabalho avaliar o efeito do estresse hídrico, e da pré-embebição de sementes na geminação de moringa. O experimento foi conduzido numa área agrícola pertencente ao Centro de Ciências Agrárias e Ambientais (CCAA), Campus II da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Lagoa Seca, Paraíba.Assim, o objetivo deste trabalho foi realizar curva de embebição e avaliar o efeito do estresse hídrico, e da pré-embebição de sementes na geminação de moringa. Para determinar a curva de embebição, foi monitorado o peso da semente em intervalos regulares de quatro horas. Para a simulação do estresse hídrico foram utilizadas diferentes soluções de polietilenoglicol (PEG – 6000) a -1,0; -0,8; -0,6; -0,4; -0,2 e 0MPa. Para os processos de pré- embebição foram usadas dois lotes diferentes, sendo o primeiro de sementes recém colhidas e o segundo com sementes armazenadas por três meses, foram empregadas quatro repetições de 25 sementes, em delineamento inteiramente casualizado. As sementes foram postas em câmera de germinação tipo BOD à 25ºC e luz contínua, sendo as avaliações realizadas a cada 48 horas. Para todos os testes (salvo a curva de embebição) avaliou-se a porcentagem, índice de velocidade, tempo médio e velocidade de germinação, tamanho e massa seca radicular, do hipocótilo e das plântulas inteiras. A semente de moringa necessita de 0,2 g de água em um período de 112 horas para germinar. Sob condições de restrição hídrica a germinação de sementes de moringa é possível em situações de -0,4MPa, sendo níveis superiores a este, críticos para a germinação e formação de plântulas. O vigor e a germinação das sementes, bem como os eventos pós-germinativos da moringa. A pré-embebição de sementes de moringa em água por 24 horas é eficiente para promover a redução no tempo de início da germinação em sementes sob condições de estresse hídricopt_BR
dc.description.sponsorshipMaria do Socorro Rochapt_BR
dc.language.isootherpt_BR
dc.subjectSementespt_BR
dc.subjectrestriçãopt_BR
dc.subjectPEGpt_BR
dc.subjectáguapt_BR
dc.titleDesenvolvimento inicial de Moringa oleifera Lam. Sob condições de estresse hídricopt_BR
dc.typeOtherpt_BR
Aparece nas coleções:60 - TCC

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Jessica Pessoa Belarmino.pdfJessica Pessoa Belarmino.pdf1.6 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.